Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Presentes para Bateristas - Clube do Baterista

Na primeira parte do nosso Guia sobre pratos de bateria nós falamos sobre a origem dos “címbalos”, principais ligas metálicas utilizadas nos processos de fabricação, anatomia e como se dá o som.

Nesta segunda parte, vamos tratar um pouco mais sobre história, quais são os tipos de pratos disponíveis no mercado e as propriedades sonoras.

Se você ainda não conferiu a primeira parte, clique aqui para compreender melhor o que vamos abordar neste artigo.

 

Ah! E não deixe de ouvir o episódio especial do Drummercast: Pratos de Bateria. História, ligas e processos de fabricação, onde batemos um papo muito bacana com Cléverson Silva, Bacalhau (Ultrage a Rigor) e Ricardo Goedert.

 

De que é composto um kit de pratos?

Um kit de pratos é composto por alguns tipos diferentes, cada um com características e funções específicas. No entanto um kit básico – ou de entrada – conta com 3 tipos principais.

São eles: chimbal, ataque e condução, ou também chamados de hi-hat, crash e ride.

Agora, vamos falar sobre cada um deles separadamente.

 

Chimbal ou Hi-hat

Chimbal - Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

O chimbal, chamado também de contra-tempo ou em inglês hi-hat, é talvez o item mais utilizado entre os pratos de bateria, pois é peça fundamental para a condução da música. Seu nome remete a uma contração de High-hat, que significa, chapéu alto e é o oposto de seu antecessor, o Low-hat.

O chimbal é composto por dois pratos, montados face a face, onde o prato superior é chamado de TOP e o inferior de BOTTOM. Geralmente o prato Bottom tem um peso superior ao Top, porém, isso não é uma regra e é comum alguns bateristas utilizarem pratos de séries e até marcas diferentes para compor seus pares buscando sonoridades especificas. As medidas dos hi-hats tradicionalmente estão entre 10 e 15 polegadas.

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II
É possível encontrar no mercado também, maquinas de chimbal remotas. Estas são controladas por um cabo, e podem posicionar os pratos em qualquer local da bateria enquanto o pedal permanece junto ao pé esquerdo. Isso ajuda muito para bateristas de rock e metal, por exemplo, que precisam do chimbal com uma abertura específica enquanto usam os pés para tocar o pedal duplo.

 

O hi-hat pode ser tocado com as baquetas ou com o pé. Com baquetas, o baterista pode utiliza-lo fechado, durante a abertura ou aberto e este estado é controlado por uma haste que conecta os pratos à sapata da maquina de chimbal (estante onde ele é montado). Para tocar com o pé, o baterista pisa ou solta a sapata, produzindo assim aquele som de tchi tchi.

 

A história do chimbal

As primeiras versões do chimbal eram chamadas de “clangers”, e consistiam de pequenos pratos montados no bumbo e eram tocadas com um pedal junto ao pedal do bumbo e não com as baquetas.

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Este equipamento evoluiu para o “snowshoe”, um pedal com duas placas onde os pratos eram montados. A partir dele surgiu o “low-boy” ou “low-hat”, que é mais parecido com o formato moderno com o qual estamos acostumados. Este era montado com uma estante baixa, onde os pratos ficavam bem próximos ao chão.

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Snowshoe (esquerda) e low-hat (direita)

No vídeo abaixo você pode conferir os antigos snowshoes e low hat em funcionamento.

O modelo que conhecemos hoje surgiu ao se elevar a altura da estante, permitindo que os pratos pudessem ser tocados com as baquetas e foi desenvolvido por volta de 1926 por Barney Walberg depois de meses de experimentos e foi adicionado como um acessório para a bateria da Walberg & Auge.

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Maquina de chimbal Walberg & Auge antiga a esquerda e Odery Privilege atual a direita

 

Prato de Condução

Ride Cymbal Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

O ride, ou prato de condução, como o próprio nome propõe, é utilizado para conduzir a música, assim como seu primo, chimbal.

Geralmente, usa-se a condução no Ride para as partes mais abertas da música, como refrões, solos e finais, onde a dinâmica tende a ser mais alta.

Historicamente o ride foi adicionado aos kits de bateria no final da década de 1940, por Kenny Clarke, quando realmente chamou a atenção dos bateristas de jazz. Até então, os pratos eram utilizados mais para acentuar as músicas.

Geralmente os rides são os pratos de maior diâmetro do kit e alguns bateristas optam por usar mais de um em seus kits para ter a disposição diferentes timbres, podendo assim, explorar sonoridades mais específicas entre as músicas.

Existem vários “tipos” de rides como por exemplo:

crash ride planet z - Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II
Crash ride – servem tanto para conduzir como para atacar (ou acentuar) a música. Alguns bateristas também utilizam a condução nas bordas “crasheando” o prato, o que produz um som bem mais pesado.

AnatolianEmotionRideFlat - Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II
Flat ride – este tipo de ride não tem a tradicional cúpula, tem um som mais seco e menos volume e um som de ponta de baquetas bem definido e são bem populares entre os bateristas de jazz.

paiste 2002 swish ride 24 -Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Swish ride – São pratos mais exóticos, e tem um som mais próximo dos Chinas

Em geral, as medidas dos pratos de condução variam entre 18 e 24 polegadas. A medida mais utilizada é de 20”.

 

Prato de Ataque

Crash Cymbal Prato de Ataque - Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Os pratos de ataque, ou em inglês, crash cymbals, geralmente são utilizados para acentuar ou dar ênfase em alguma parte da música.

Geralmente estes pratos tem um som mais explosivo, com uma abertura de rápida e sustain mais longo.

Um kit básico conta geralmente com um ou dois pratos de ataque, no entanto, muitos bateristas utilizam uma variedade maior para explorar timbres e volumes diferentes tendo uns seu som mais aberto, outros mais sustain e etc.

As suas medidas dos crashs costumam variar entre 14 e 21 polegadas.

 

 

Prato de Efeito

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II

Além dos pratos “básicos” que falamos acima, temos também vários pratos de efeitos diferentes e que são usados em situações diferentes. No geral, eles são utilizados para marcar acentos e destaques, no entanto, seus sons são diferenciados.

Assim como os crashs, os pratos de efeitos também são usados em maior quantidade no kit, oferecendo ao baterista mais opções de som.

Entre os pratos de efeito podemos encontrar os seguintes tipos: splash, china, stax, bell e gongo.

 

Splash

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II - Splashs

Os splashs, são pratos menores e geralmente mais finos, o que faz com que seu sustain e decay sejam bastante curtos e o volume baixo em relação aos pratos maiores. As medidas geralmente estão entre 6 e 12 polegadas e os mais utilizados são os de 10″.

 

China

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II - China

Os Chinas tem seu som inspirado nos gongos chineses e foram desenvolvidos justamente no país que deu seu nome.

Estes pratos produzem um som de abertura rápida, mais “dark” e explosivo. São montados com a parte côncava virada para cima diferentemente dos outros pratos do kit e em geral são tocados nas bordas gerando um som mais sujo. Já se tocados com a ponta da baqueta em seu corpo geram um som mais “chiado” para condução.

As suas medidas podem variar de 8 a 26 polegadas.

 

Stax

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II - Stax

Staxs, ou stacks, são montados com dois pratos, um em cima do outro. Em geral, são usados splashs e chinas, em diâmetros pequenos. No entanto, encontramos também staxs com medidas maiores usados com chinas e crashs por exemplo.

A criação dos staxs é atribuída ao baterista Mike Portnoy (link aqui) que montava os pratos sobrepostos em seus kits na banda Dream Theater.

Os stax produzem um som curto, sujo e cortante e apesar de algumas marcas produzirem estes pratos, você não precisa necessariamente comprar um par de staxs, você pode fazer os testes com alguns de seus pratos e ao encontrar uma sonoridade que lhe agrade adiciona-lo a seu setup.

 

Bell

Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II - Bell

Os bells são pratos pequenos com medidas geralmente entre 6 e 10 polegadas, montados com a cúpula pra cima ou para baixo, e seu som lembra bem o de um sino – como mostra a tradução do nome – sendo mais vibrante, brilhante e longo.

no vídeo abaixo você pode conferir o som de um bell.

 

Além dos pratos que falamos, encontramos pratos com vários acessórios, como tachinhas, chuveirinho, furos e platinelas.

Estes recursos oferecem ao ao baterista ainda mais efeitos e possibilidades sonoras.

 

 

Propriedades sonoras dos pratos

O som, seja ele dos pratos ou de qualquer outro instrumento, inclusive não percussivo pode ser representado por uma curva gráfica onde encontramos 3 pontos principais, conhecidos como ataque, sustain, decay.

Vamos entender melhor sobre cada um deles abaixo.

 

Ataque

Ataque é o momento entre o toque da baqueta no prato até o volume máximo que a nota emitida alcança, ou seja, é o tempo para ir do silêncio até a intensidade total da nota e pode variar de acordo com as características da peça tocada, como diâmetro, espessura e a liga utilizada e é claro, a maneira como a peça foi “atacada”.

Quando você utiliza um prato que tem bastante ataque, isso quer dizer que ele atinge rapidamente o seu volume máximo.

 

Sustain

O sustain, ou sustentação, é o momento seguinte e é o tempo onde o som se mantém constante. Na bateria nós não temos a opção de estender as notas, como nos instrumentos de sopro ou segurando uma tecla no piano, por exemplo. O que podemos fazer é deixar o prato ressoar e manter a nota durante seu tempo de sustentação.

Em pratos de maior diâmetro, o sustain tende a ser mais longo, já em pratos com diâmetros mais curtos, o sustain é muito curto, como nos splashs por exemplo.

O sustain pode ser bem mais curto também quando o baterista opta por secar o som, como quando você faz o ataque e logo segura o prato, isso faz com que o som seque logo de imediato.

Dizemos que um prato tem bastante sustain, quando ele vibra por um longo tempo após ter atingido seu volume máximo.

 

Decay

O decay, ou decaimento, ocorre logo depois quando o som passa a diminuir até atingir o silêncio total e também variam de acordo com as características do instrumento tocado.

 

Na terceira e última parte do nosso Guia nós falaremos sobre as características sonoras dos pratos, como dark, dry, medium, heavy, tipos de acabamento e algumas curiosidades.

Enquanto isso, se este artigo foi útil pra você, por favor, deixe seu comentário abaixo e compartilhe este material com seus amigos.

Muito obrigado.

 

Aprenda a ler partituras de Bateria

 

Quantas estrelas este artigo merece?

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)
Guia completo sobre Pratos de Bateria – Parte II, 10.0 out of 10 based on 2 ratings

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *