Ritmos do Norte. Como tocar Carimbó na Bateria

Mês do Baterista 2017

O Carimbó é um gênero musical de origem indígena e recebe fortes influências das culturas africana e portuguesa.

Sua nome em Tupi se refere ao tambor feito de tronco de árvore, chamado Curimbó, no qual “Curi” significa pau e “mbó” refere-se a oco ou furado. Basicamente, significa “pau oco que produz som”. Logo, a  música e a dança chamam-se Carimbó por inúmeras influências fonéticas de cada região paraense.

Segundo historiadores a dança surgiu nas tribos indígenas que tocavam o curimbó e dançavam para realizar rituais. No momento em que os escravos entraram em contato com essa dança, impuseram os seus movimentos com características africanas. Dessa forma, a dança passou a caracterizar-se por uma espécie de batuque.

Colonizadores portugueses também se sentiram atraídos pelo ritmo. Estes estimulavam essas manifestações e faziam questão de participar. Assim, acrescentaram também seus traços da expressão corporal característica das danças portuguesas.

Desse modo, o ritmo do carimbó foi evoluindo, se disseminando e tornou-se popular na região Norte, ou seja, a partir da fusão de culturas, surgiu a manifestação de criatividade artística, tornando-se atualmente tradição da identidade do povo paraense.

Os instrumentos musicais utilizados variam de acordo com cada grupo, porém, os instrumentos indispensáveis sâo o curimbó, as maracas e o banjo.

 

instruments utilizados no carimbo

 

Se você nunca viu ou ouviu o carimbó, no vídeo abaixo poderá entender como é a sua aplicação.

 

Originalmente, o carimbó não é tocado com a bateria, no entanto, com algumas adaptações, podemos tocar alguns grooves utilizando bumbo, caixa e chimbal como na partitura apresentada abaixo.

 

levada de carimbó

 

Com o passar dos anos, a modernização e as diversas influências que a música sofre como um todo, o carimbó também tornou-se um gênero mais comercial, tendo o artista Pinduca como principal divulgador desta nova vertente.

Nesta “nova onda”, observamos o acréscimo de diversos instrumentos elétricos, tais como guitarra, contrabaixo e teclados, tocados em conjunto com os instrumentos musicais já utilizados no carimbó raiz.

Confira o vídeo abaixo e entenda melhor sobre esta variação do carimbó.

 

No Carimbó “comercial”, observa-se uma sonoridade mais encorpada, um som real de banda, onde o baterista tem a principal função de sustentar o groove.

Abaixo, temos um exemplo.

levada de carimbó

 

A região Norte, assim como outras regiões do Brasil, tem um grande acervo de diferentes ritmos e vertentes musicais oriundos de grupos indígenas, bem como de negros escravos e de colonizadores. Para nós bateristas que buscamos nos aprofundar no conhecimento do nosso instrumento, conhecer e entender os ritmos brasileiros pode nos levar a outro nível tanto em base teórica quanto em técnica.

Assim, deixo aqui uma pequena contribuição para a divulgação deste que talvez seja um dos poucos gêneros musicais do Norte conhecidos no Brasil. Logo logo eu volto com outro ritmo do Norte.

Este artigo foi útil para você? Deixe aqui seu comentário e compartilhe este material com seus amigos.

Vamos fazer com que a música regional brasileira receba o reconhecimento que merece.

 

Este artigo foi enviado pelo baterista paraense Tiago Belém.

 

Aprenda a ler partituras de Bateria

 

Quantas estrelas este artigo merece?

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (7 votes cast)
Ritmos do Norte. Como tocar Carimbó na Bateria, 10.0 out of 10 based on 7 ratings
3 Comentários
  1. 6 de Março de 2017
  2. 6 de Março de 2017

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Natal do Baterista. 6x sem juros